sexta-feira, novembro 09, 2018

Parte de mim



Eu me lembro do momento em que eu te conheci, eu com toda certeza não era da maneira que esperava. Estava ali toda fria, toda congelada por dentro e por fora. Nem havia te dado a devida atenção, era só um cara que estava ali tentando me animar um pouco a cada dia. E aos poucos descongelou aquele coração tão judiado e resolvi pegar em tua mão. Naquele instante eu fui salva, naquela fração de segundos eu me entreguei a você.  Se eu pudesse conversar com o meu eu do passado, eu diria a ela com toda certeza nesse mundo: “Você vai acertar o pulo, fecha os olhos e se atira, de corpo, alma e coração”. E em meio a tantas tormentas, tantos desafios, perdas e ganhos, cá estou eu. Ainda escrevendo sobre você, ainda escrevendo sobre aquilo que causas em mim. Despertou o que em mim havia de melhor e também o pior. E já nem sei o que sobrou por aqui..



quinta-feira, março 30, 2017

Guardo pra mim


                              

Depois do que fora dito, não houveram mais palavras e tão pouco justificativas para continuar naquele diálogo. O que foi dito, já estava dito. Engoli a seco cada palavra que ficou presa na garganta por dizer. Não que houvesse medo ou algo do gênero, só quis poupar o desgaste para a dor no peito ser o menor possível.
As lágrimas, ah essas eu não economizei. Elas acabaram rolando e deslizando pelo meu rosto, quase que automaticamente, e dizia para mim mesma que tudo bem, estou bem, vai passar. Suspirei e respirei fundo por diversas vezes, repetidamente. Pensando que assim pudesse ajudar a dissolver os fatos já dispostos e o nó em minha garganta prendendo todo e qualquer sentimento.
Então eu disse em voz alta para que ouvisse e para eu mesma me convencer que sim estava tudo bem, mesmo sem estar. Mesmo que dia, mesmo que machuque, vai ficar bem. Talvez seja adaptações passageiras para melhorias e que possa vir a dar certo, ou talvez seja realmente o princípio do fim. Já tinha lhe dito que não falaria mais quando algo me incomodasse, então me calei.

quarta-feira, julho 20, 2016

Liberte-se




Ela vivia dos mais diferentes modos, suspirava pelos cantos com suas histórias, as que ela vivia e as que ela inventava. Seu coração inundava de todo sentimento que pudesse imaginar. Era muito peso para pouca mala. 
As borboletas reviravam seu estômago e atormentavam seus sonos à noite. 
De dia, ela imaginava tudo do que seu coração implorava. 
À noite, ela realizava tudo do que sua mente desejava. 
Feita assim, de momentos, de instantes, de um pouco aqui e um pouco ali. 
Mas ela já está cansada. Esgotada de viver de pouco. 
Um “cado” de amor aqui, um “cado” de ansiedade ali.. 
Viver pela metade não bastava mais, esperar o inesperado já não satisfazia mais. Ela precisa e merece quebrar as correntes do real e do fantasiado,  ela não era mulher de viver do talvez ou do tanto faz, ela gosta é das certezas, das palavras ditas, dos pontos. Sejam eles de exclamação ou pontos finais. 
Ela, sou eu, ela é você. Ela, somos todos nós que vivemos presas em histórias que nós mesmos criamos e nos enganamos. 
Deixamo-nos levar e caímos na armadilha. 
Mas é chegada a hora da liberdade, dos olhos nos olhos e de falar daquilo em que o coração transborda. Se libertar de tudo aquilo que já não nos faz bem..

sexta-feira, maio 27, 2016

Chuva de verão




São duas e pouca da manhã e meu  pensamento cria asas e voa até você. 
Não por carência ou por eu saber que também estás tão só quanto eu, mas por ainda guardar um vestígio daquele nosso amor. Não consigo fechar os olhos, não consigo dormir. É quando se está completamente só que a mente flutua para longe. Sentir o teu cheiro, tocar em teus lábios. Não sei por que ainda causa estes efeitos em mim se passou-se tanto tempo. 
Será que te lembras de mim? Desta maneira que me lembro de ti? 
Não como um simples amigo, mas como alguém especial que passou em minha vida e que não permaneceu. Saudades a gente sente e passa, vai e volta. 
Com você é assim, o sentimento some de um jeito que parece nunca ter habitado em mim, e como uma tempestade de verão, chega sem avisar e avassala meus sentidos. Todas as lembranças e momentos vem átona e o sentimento retorna. Tolice essa de seguir sentindo o que não se pode, seguir desejando o que não se pode ter. 
O que passou é pretérito, mas segue tão atual em meu presente. 
Só queria que esta tormenta cessasse, que meu coração se acalma-se e que meus sentimentos se resolvessem, como um quebra-cabeças completo depois de tanto tempo procurando as peças faltantes. 
Não tens as respostas para minhas perguntas, mas talvez tenha a solução para minhas angústias. Ou fica ou vai; soma ou some. 
Fazer as borboletas voarem em mim e depois sumir não ajuda, preciso de um porto seguro, de segurança, uma mão firme e um abraço interminável, não preciso de mais sonhos, preciso de realidade. 
Vem e devasta minha vida ou nem faça chover..

"Como quisiera que lo nuestro hubiera sido diferente"